Quando praticamos atividades físicas, ocorrem diversas variáveis fisiológicas em nosso corpo. Essas variáveis ocorrem para que o organismo possa realizar o esforço muscular exigido, e uma delas é o aumento da frequência cardíaca.

Isso significa que os batimentos do coração aumentam consideravelmente, pois podem passar de 50 a 70 bpm (batimentos por minuto) no estado de repouso para até 180 a 200 bpm durante a realização da atividade. Mas, claro, isso depende muito do estado físico de cada um.

Controlar os batimentos cardíacos é muito importante para treinar dentro de uma zona de resultados e também de saúde. Tão importante quanto escolher o exercício certo, é controlar a intensidade do esforço. Mas como fazer isso durante as suas atividades? Confira algumas dicas:

 

Monitores cardíacos

Você pode observar diretamente a alteração dos seus batimentos cardíacos por meio de frequencímetros cardíacos. É colocado um sensor na altura do peito e, pelo relógio, pode-se observar em tempo real os batimentos do coração. Porém, esse equipamento tem um custo alto, podendo ficar na faixa de R$ 400,00 a R$ 1.800,00. 

 

Sensação subjetiva do esforço

O método conhecido como Escala de Borg, desenvolvido pelo sueco Gunnar Borg, também pode ser utilizado para medir a frequência cardíaca. O fisiologista observou que a frequência não se relacionava com a intensidade, mas a sensação subjetiva do esforço era mais associada às intensidades do exercício. Sendo assim, desenvolveu uma escala que varia de 1 (muito leve) até 10 (extremamente difícil), conforme a tabela abaixo:

 

 

Agora que você já sabe como medir a sua frequência cardíaca, é importante que se mantenha dentro do aceitável - conforme citamos acima, de 50 a 70 bpm no estado de repouso, e 180 a 200 bpm durante a realização da atividade. 

A Performa oferece com exclusividade uma aula que monitora os batimentos cardíacos. Trata-se da aula Orange Zone, que visa que o cliente permaneça no seu submáximo , para queimar mais calorias durante e após o treino. Veja mais aqui.

E lembrando, cada organismo é diferente, por isso o ideal é sempre procurar um profissional para prescrever os seus exercícios.