As lesões musculares são comuns em pessoas que praticam atividade física regularmente. Para que esse problema não afete sua qualidade de vida e nem os benefícios que os exercícios proporcionam, é muito importante tomar alguns cuidados.

Quer saber mais sobre o que são as lesões, como se prevenir e de que maneira realizar o tratamento, caso aconteçam? Leia este artigo até o final e confira!
 

O que são as lesões musculares

De maneira resumida, o princípio da prática da musculação para a hipertrofia muscular, ou seja, ganho de massa magra, é causar pequenas lesões nas células musculares. Assim, no processo de recuperação natural do organismo, essas células se regeneram, se tornando mais resistentes e maiores.

Todo esse processo costuma acontecer em um período entre 24h e 72h após a prática, sendo, portanto, necessário um intervalo de descanso entre as séries de exercícios.

O problema é quando essa lesão atinge grande parte dos músculos. Nesses casos, as rupturas no tecido, que podem acontecer por trauma direto, laceração ou isquemia, levam ao seu desgaste excessivo, causando lesões mais sérias, que podem até afastar a pessoa dos treinos.

Os primeiros sinais de que o rompimento das células foi mais grave são dores intensas, edemas no local, hematoma e dificuldade para realizar movimentos com o músculo lesionado.
 

Os principais tipos de lesão e como prevenir

Existem alguns fatores de risco para o surgimento de lesões musculares, como: idade, nível de treinamento, cargas elevadas nos exercícios, calçados inapropriados, posturas erradas, falta de descanso, falta de alongamento, desidratação ou mesmo lesões anteriores. Ou seja, para evitar ter esse incômodo, é preciso estar atento a esses fatores e contar sempre com a orientação de professor de educação física.

As lesões podem ser classificadas a partir de sua duração: agudas (quando repentinas) e crônicas (geradas a partir de um esforço repetitivo). Os tipos mais conhecidos de rupturas musculares são as contusões, estiramento, distensões e disfunções musculares.

Conheça as principais áreas lesionadas a seguir!


Bursite

É uma inflamação em uma bolsa pequena que contém líquido chamada de bursa, localizada entre os tendões, tecidos musculares e ossos, que funciona para amortecer o impacto dos movimentos. A bursite gera dor intensa nas articulações e sensibilidade na região, além de vermelhidão e calor no local. É causada por esforço intenso ou movimentos repetitivos.


Pubalgia

A pubalgia é uma lesão que ocorre na região do púbis quando um lado do corpo é mais forte do que o outro. Por ser uma região central do corpo, essa lesão compromete a sustentação do tronco e abdômen.


Dor na virilha

Esse problema afeta músculos como adutores, grácil e pectíneo, presentes na região e que têm como principal função a movimentação da perna. Geralmente, essa lesão ocorre em grávidas ou em esportes em que há um intenso uso das pernas, como futebol e rúgbi.


Dor no joelho

A dor no joelho é uma das reclamações mais frequentes de praticantes de atividade física. Ocorre devido a sobrecarga nos exercícios, falta de alongamento ou falta de aquecimento.


Fascite

A fascite afeta um tecido conjuntivo fibroso chamado de fáscia, que é rico em colágeno, elastina e água. Costuma causar dores nos calcanhares, rigidez na articulação e sensação de ardor.


Como tratar o problema

O tratamento para as lesões, principalmente as de fase aguda, deve seguir um método denominado Price, que significa proteção, repouso, gelo, compressão local e elevação do membro. É importante que o paciente passe por uma fase de repouso e, quando preciso, utilize tipoias, muletas ou estabilizadores. Ao iniciar o processo de reabilitação, é importante que as atividades se iniciem de maneira gradual e que os movimentos causadores da lesão sejam modificados.

A melhor forma de se evitar lesões musculares é procurar orientação profissional adequada ao praticar alguma atividade e levar em conta as suas limitações físicas.

E aí, você já teve alguma lesão ou tem mais curiosidade no assunto? Deixe seu comentário no post!